Los que no toman alcohol no se quedaran más solos.

Encontré ese artigo de La Vanguardia y me quedé muy contenta por saber que hay más gente en el mundo como yo…

No fumas: eres un afortunado. Has levantado el pie del acelerador: te mereces un premio por ser un conductor responsable. Optas por ser vegetariana o vegano: enhorabuena, porque velas por tu salud. No tomas ni una gota de alcohol: eres un bicho raro. En una sociedad cada día más volcada al culto por el cuerpo, la alimentación saludable o el civismo, los abstemios por voluntad propia siguen siendo unos incomprendidos para la mayoría.

Y lo más pesado, por repetitivo, para esas personas que no prueban ni una gota de alcohol –sin que pesen en esa decisión motivos médicos, religiosos o de creencias– es dar continuamente explicaciones del por qué de esa opción. Algo que ya no pasa, por citar sólo unos ejemplos, con los que reniegan de la carne, aquellas personas que no fuman o las que han retirado de su dieta los productos lácteos.

Planteada esta comparación, no extraña que los abstemios por voluntad propia pidan hoy, como nunca, que les dejen tranquilos. Dicen estar hartos de tener que justificarse cada vez que entran en un bar y piden un refresco, cuando rechazan el alcohol en una reunión de amigos o cuando sólo beben agua en un encuentro familiar.

Jennifer López y Jared Leto fueron los primeros en adoptar esta filosofía de vida

Ser abstemio es hoy una tendencia que no para de ganar adeptos. Tiene hasta nombre: teetotalism. Y el éxito que está cosechando esta opción, consideran expertos en salud, no debería de extrañar en una sociedad cada día más obsesionada con lo saludable, que ha eliminado de la dieta diaria productos consumidos desde siempre, como las grasas saturadas, el azúcar, la sal, los lácteos o la carne. Era cuestión de tiempo que el alcohol se sumara a esa lista.

Los teetotalers o teetotals pisan fuerte en Estados Unidos. En ese país no paran de aparecer personas que manifiestan públicamente y con orgullo haberse sumado a esta tendencia. Es como una salida del armario, pero con los licores. El término elegido para referirse a estos abstemios de la era moderna fue acuñado a principios del siglo pasado por Joseph Livesey, de la Preston Temperance Society, una organización fundada en 1936 con un único propósito: acabar con el daño social causado por el monopolio del alcohol.

Los teetotals del siglo XXI no parecen buscar, sin embargo, otra cruzada global contra el alcohol. Su decisión es una opción personal y particular que aseguran tiene muchos beneficios para su salud física y mental. Y aquí no vale defender que un par de copas de vino puede ser incluso beneficioso o que una cerveza no hace daño a nadie. El que apuesta por ser abstemio lo hace con todas las consecuencias. Ni una gota de licor. El premio: un aspecto estupendo, adiós a las resacas, ningún mensaje de WhatsApp por el que lamentarse enviado a altas horas de la madrugada, no más lagunas de memoria y muchas mañanas, después de una noche de fiesta, aprovechadas al máximo.

Las personas que pasan del licor piden el mismo trato que el de los no fumadores o veganos

En ese grupo de abstemios convencidos se cuentan personajes que van desde Donald Trump o George Bush, hasta la Reina Letizia o Kim Kardashian, pasando por las consideradas gurús de esta tendencia nacida en EE.UU., Jennifer López y Jared Leto. Las dos últimas hace ya años que defienden públicamente los beneficios que tiene en la salud y estética ser abstemio. Natalie Portman, Katy Perry, Tyra Banks, David Beckham o Gwyneth Paltrow son otros de los personajes conocidos a los que nunca se ve con una copa de licor en la mano. A esa lista de teetotals se han sumado también en los últimos tiempos otros personajes que han llegado a ese estadio por otros caminos. Son personas que han renunciado al alcohol después de haber pagado caras facturas por un consumo excesivo, como el cantante de Depeche Mode, Dave Gahan, Rob Lowe, Ben Afflek, Colin Farrell o Gerald Butler.

Todos estos personajes abstemios por convicción coinciden, al hablar del tema, en lo difícil que resulta muchas veces –en una sociedad con tanto bebedor social– mantener esa opción. La mayoría de negocios o tratos siguen cerrándose en cenas y comidas, con copas en la mesa y son aún muchos los que no conciben encuentros entre amigos, reuniones de trabajo o citas familiares señaladas sin alcohol.

La mayoría de locales nocturnos despliegan además, se quejan los abstemios, muy poca imaginación para ofrecer copas sin licor con el mismo aspecto a las que sí lo incluyen. Sólo se salvarían las coctelerías, que poco a poco van introduciendo en sus cartas combinados pensados para el abstemio. Con la misma vistosidad, esmero en su preparación y calidad que los cócteles que llevan alcohol. Y eso no deja de ser un alivio para los teetotals, pues se ahorran muchas explicaciones cuando las personas que les rodean no detectan si ingieren o no alcohol.

Los locales que sirven cócteles han sido los primeros en advertir que hay negocio entre el público abstemio. Aunque al principio, cuando esta tendencia era menos conocida, muchos de esos clientes que pedían combinados sin alcohol no lo tuvieron tan fácil. Esas copas sin licor fueron bautizadas como “mócteles”, término que tiene su origen en la palabra inglesa mock (en español, burla). Los primeros camareros que empezaron a servir esos vistosos combinados sin alcohol fueron los que pusieron a estas copas el nombre de mocktail al interpretar que eso no era una copa como mandan los cánones. Se equivocaron.

Estadios en el mundo del alcohol

1. Abstemios

Persona que no disfruta con la ingesta de alcohol o muestra desagrado a su gusto y efectos. O aquellas que deciden no probar ni una gota de licor, sin que haya razones médicas, culturales o religiosas, para prevenir sus daños y consecuencias.

2. Bebedores sociales

El alcohol forma parte de su proceso de socialización, pero no es esencial. No toleran la embriaguez y raras veces llegan a ese estadio. Suele ser en días contados, como una boda, en Fin de Año o en una celebración muy especial

3. Alcohólicos Sociales

Se intoxican con frecuencia, pero suelen controlar su conducta. Planifican sus salidas para tomar una copa. Suelen tolerar bien los efectos del alcohol. Un alcohólico social siempre encontrará un momento para tomar una copa. La bebida no suele interferir en su vida familiar y laboral mientras se controla bien la situación

4. Alcohólicos

Tiene una gran dependencia, hasta convertirse en adicción hacia el alcohol. Todas sus conductas están asociadas con la bebida. Su vida familiar y laboral se ve alterada por esa dependencia, que no se controla

Anúncios

Brasil na Copa da Rusia

Não teve hexa, mas teve a família inteira se reunindo na sala, teve confraternização de amigos, teve o orgulho de vestir o verde e amarelo apesar de todas adversidades, teve gol, teve dias felizes, atitudes bonitas dentro e fora de campo e o mais importante (que só quem torceu contra não entende):
Nunca será só futebol!
Vai além…
Valeu, Brasil!
(By Fatima Maia 😍😍)

Pelé : Santo de Casa não faz Milagre

Compartilho aqui o texto de Thomaz Thiago Barbosa, um amigo de Facebook sobre porque Pelé não é idolatrado no Brasil como é em outros países.

PELÉ

De quatro em quatro anos, o brasileiro relembra o Rei Pelé e celebra em verso e prosa o homem que colocou o Brasil no mapa do mundo. No mundial de futebol passado, adaptaram a versão santista dos “mil gols, mil gols!” para provocar os argentinos, louvando-o.

Neste meio tempo, contudo, o mais comum é ouvir o brasileiro médio, ao ser questionado sobre o que acha de Pelé, dizer: “é um bosta”; “odeio esse cara” ou ainda indagar “O Édson ou o Pelé?” como se um não fosse o outro.

Tom Jobim já dizia: “No Brasil, o sucesso é ofensa pessoal” e, nesta linha, arrematou: “O povo odeia o Pelé porque deu certo e ama o Garrincha porque morreu na miséria”.

Mas mais do que isso. Pelé é detestado na maior parte do tempo pelo brasileiro médio porque a mídia quis assim e nos contaminou.

Nelson Rodrigues, décadas atrás, publicou no livro “A Cabra Vadia” uma crônica intitulada “O Palavrão”. Nela, dizia que “as esquerdas” não faziam revolução porque estava “ocupada em se autopromover”, citando a ocupação de espaços gramcista que, deste então, fazia dos críticos de jornais um ativista da causa, acima de tudo. Para Nelson, a esquerda ocupou as redações e fazia ” a glória, ou execração” de acordo com o campo ideológico do sujeito.

O imperdoável pecado de Pelé foi, portanto, ter encerrado a carreira nos Estados Unidos e, de lá para cá, ter sido recebido inúmeras vezes na Casa Branca por diferentes presidentes, ao invés de cultuar Che Guevara e fumar charutos ao lado de Fidel, o queridinhos das esquerdas no século XX. Nossas redações, abarrotada de ativistas do socialismo, jamais engoliram que um homem negro tenha vencido na vida e, do alto, não criticasse sistematicamente o racismo e não fosse, como eles, um militante. Não toleravam que, tendo vencido o preconceito, Pelé não tenha se alinhado a eles e tenha preferido valer-se de seu nome, sua marca, para ser tão inteligente fora de campo quanto foi dentro dele, ganhando dinheiro e enriquecendo, exemplificando o sucesso do capitalismo em um menino negro e pobre que se superou através de um dom único.

É por isso que omitiram e subverteram, acerca da história da “filha não assumida”, o fato de que Pelé assumiu Flávia Kurtz, uma outra filha, sem qualquer tipo de empecilho. E que Sandra, na verdade, sempre fez questão de demonstrar repúdio pelo pai, sob influência da mãe, e que apenas o procurou para fins de herança, ainda que não abrisse mão de desprezá-lo e humilhá-lo sempre que possível.

Esta história e suas particularidades, as coisas que se passaram com Pelé e sua família por causa deste caso, não são contadas, não interessam. Para as redações, sempre foi muito mais importante macular a imagem do ídolo, do herói, como um pai insensível e mau caráter. Para eles, Pelé é o negro que virou as costas para o racismo e foi viver entre os brancos, como se pensar dessa maneira já não fosse uma forma de racismo e segregação.

Odiar Pelé é, para a maior parte dos brasileiros, um vício incutido ao longo das décadas, reproduzido de forma quase que impulsiva e completamente ingênua. Para as redações e intelectuais, contudo, é uma longa estratégia pérfida de difamação e destruição de reputação, pensada com o propósito claro de esvaziar a credibilidade de uma influente figura nacional que nunca se vergou ao politicamente correto ou àquilo que os “entendidos” achavam que ele deveria ser e fazer.

E O Vento levou tudo…

Num grupo de Facebook de gente que curte cinema , uma amiga postou um cartaz escrito o seguinte: “Descreva a história do seu filme favorito de forma tosca.”

A minha descrição foi a seguinte:

Uma garota americana caipira rica e mimada é loucamente apaixonada por um sujeito feio de doer e excessivamente cavalheiro e medroso. O sujeito resolve se casar com uma prima e ela fica arrasada por ele preferir uma sem-sal e ainda por cima parente à ela, uma beldade cobiçada por todos. No dia em que ela se declara para o feioso um coroa charmoso putanheiro, viajado e bom de negócios se encanta obsessivamente por ela e escuta a declaração dela. Ela termina se comprometendo com um moleque bobão. Ocorre uma grande guerra e o feioso vai pra guerra e pede para ela cuidar de sua esposa que além de frágil como um cristal é quase uma santa de tão boazinha. Ela promete cuidar da santa apenas para manter um laço com o feioso. O marido moleque morre logo no começo da guerra. Na desgraceira toda da guerra ela sofre pra caramba e o coroa ajuda ela nas piores situações, mas depois termina decidindo ajudar os coitados que vão perder a guerra que são o povo da região deles. Aí ela sofre mais um monte, chega a passar fome e então jura que fará qualquer coisa de boa ou de ruim para nunca mais passar fome novamente. E cumpre o juramento, mente, engana, casa por interesse , vira uma capitalista selvagem. Ao ficar viuva pela segunda vez ,não resiste mais ao charme e fortuna do coroa e se casa com ele. Eles vivem um casamento perturbardo pelos ciúmes do coroa pelo feioso, sua única filha morre ainda criança do mesmo jeito que o seu pai…quando parece que ela e o coroa finalmente vão se acertar, a santa, a boazinha morre e o coroa vendo ela consolar o feioso pensa que vai ser inevitavelmente corno ou trocado e então ele à abandona mentindo dizendo “não dar a mínima”. Ela que sabe que nenhuma questão sentimental é pior do que passar fome termina o filme dizendo a expressão que mostra a máxima força de instinto de sobrevivência “eu penso nisso amanhã”.

Valorizemos o nosso Brasil!

Atualmente estou vivendo na Argentina e encontrei esse texto de uma escritora holandesa, falando sobre o Brasil que veio de encontro com o que venho refletindo ultimamente:

“Os brasileiros acham que o mundo todo presta, menos o Brasil.” Realmente parece que é um vício falar mal do Brasil. Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos. Aqui na Holanda, os resultados das eleições demoram horrores porque não há nada automatizado. Só existe uma companhia telefônica e pasmem: Se você ligar reclamando do serviço, corre o risco de ter seu telefone temporariamente desconectado.

Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o sanduíche em um guardanapo – ou de lavar as mãos antes de comer. Nas padarias, feiras e açougues europeus, os atendentes recebem o dinheiro e com mesma mão suja entregam o pão ou a carne.

Em Londres, existe um lugar famosíssimo que vende batatas fritas enroladas em folhas de jornal – e tem fila na porta.

Na Europa, não-fumante é minoria. Se pedir mesa de não-fumante, o garçom ri na sua cara, porque não existe. Fumam até em elevador.

Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria e qualquer garçom de botequim no Brasil podia ir pra lá dar aulas de ‘Como conquistar o Cliente’.

Você sabe como as grandes potências fazem para destruir um povo? Impõem suas crenças e cultura. Se você parar para observar, em todo filme dos EUA a bandeira nacional aparece, e geralmente na hora em que estamos emotivos…

Vocês têm uma língua que, apesar de não se parecer quase nada com a língua portuguesa, é chamada de língua portuguesa, enquanto que as empresas de software a chamam de português brasileiro, porque não conseguem se comunicar com os seus usuários brasileiros através da língua Portuguesa. Os brasileiros são vitimas de vários crimes contra a pátria, crenças, cultura, língua, etc… Os brasileiros mais esclarecidos sabem que temos muitas razões para resgatar suas raízes culturais.

Os dados são da Antropos Consulting:
1. O Brasil é o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis, e vem sendo exemplo mundial.
2. O Brasil é o único país do hemisfério sul que está participando do Projeto Genoma.
3. Numa pesquisa envolvendo 50 cidades de diversos países, a cidade do Rio de Janeiro foi considerada a mais solidária.
4. Mesmo sendo um país em desenvolvimento, os internautas brasileiros representam uma fatia de 40% do mercado na América Latina.
5. No Brasil, há 14 fábricas de veículos instaladas e outras 4 se instalando, enquanto alguns países vizinhos não possuem nenhuma.
6. Das crianças e adolescentes entre 7 a 14 anos, 97,3% estão estudando.
7. O mercado de telefones celulares do Brasil é o segundo do mundo, com 650 mil novas habilitações a cada mês.
8. Telefonia fixa, o país ocupa a quinta posição em número de linhas instaladas..
9. Das empresas brasileiras, 6.890 possuem certificado de qualidade ISO-9000, maior número entre os países em desenvolvimento. No México, são apenas 300 empresas e 265 na Argentina.
10. O Brasil é o segundo maior mercado de jatos e helicópteros executivos.

Por que vocês têm esse vício de só falar mal do Brasil?

1. Por que não se orgulham em dizer que o mercado editorial de livros é maior do que o da Itália, com mais de 50 mil títulos novos a cada ano?
2. Que têm o mais moderno sistema bancário do planeta?
3. Que suas AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE ganham os melhores e maiores prêmios mundiais?
4. Por que não falam que são o país mais empreendedor do mundo e que mais de 70% dos brasileiros, pobres e ricos, dedicam considerável parte de seu tempo em trabalhos voluntários?
5. Por que não dizem que são hoje a terceira maior democracia do mundo?
6. Que apesar de todas as mazelas, o Congresso está punindo seus próprios membros, o que raramente ocorre em outros países ditos civilizados?
7. Por que não se lembram que o povo brasileiro é um povo hospitaleiro, que se esforça para falar a língua dos turistas, gesticula e não mede esforços para atendê-los bem? Por que não se orgulham de ser um povo que faz piada da própria desgraça e que enfrenta os desgostos sambando.

É! O Brasil é um país abençoado de fato. Bendito este povo, que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos. Bendito este povo, que sabe entender todos os sotaques. Bendito este povo, que oferece todos os tipos de climas para contentar toda gente. Bendita seja, querida pátria chamada BRASIL!

(Escritora Aliefka Bijlsma)__

O casamento estratégico do Príncipe Harry

Para quem está se perguntando: “Porque será que a rainha aprovou o casamento do Príncipe Harry com a atriz americana?” Aí vai a resposta: QUESTÃO DE ESTRATÉGIA

No passado Charles era apaixonado por Camila Parker e a rainha o obrigou a casar com Diana para garantir que a descendência da família tivesse melhores genes, fossem mais belos. Agora a rainha aprova o casamento de seu neto com a afrodescendente americana para garantir que a descendência tenha genes mais fortes (negros tem mais resistência a doenças e demoram mais para mostrar os signos da velhice, entre inúmeras outras qualidades) e também para fazer uma aliança com os Estados Unidos que será extremamente necessária pelo fato da China se tornar a nova potência mundial.

Agora verdade seja dita: A rainha é muito inteligente, a americana afrodescendente tem o sorriso bonito e caloroso que nenhum membro de nenhuma das famílias reais teve.

PS: Vamos torcer para que Megan Markhle “ande na linha”, siga o protocolo para que não termine morrendo em um acidente de carro como aconteceu com a também atriz Grace Kelly e Lady Diana, duas princesas que gostavam de aventuras e pagaram caro por isso.

Mude sua vida!

Mude

Mas comece devagar, porque a direção
é mais importante que a velocidade.
Mude de caminho, ande por outras ruas,
observando os lugares por onde você passa.
Veja o mundo de outras perspectivas.
Descubra novos horizontes.

Não faça do hábito um estilo de vida.

Ame a novidade.
Tente o novo todo dia.
O novo lado, o novo método, o novo sabor,
o novo jeito, o novo prazer, o novo amor.
Busque novos amigos, tente novos amores.
Faça novas relações.
Experimente a gostosura da surpresa.
Troque esse monte de medo por um pouco de vida.
Ame muito, cada vez mais, e de modos diferentes.
Troque de bolsa, de carteira, de malas, de atitude.

Mude.
Dê uma chance ao inesperado.
Abrace a gostosura da Surpresa.

Sonhe só o sonho certo e realize-o todo dia.

Lembre-se de que a Vida é uma só,
e decida-se por arrumar um outro emprego,
uma nova ocupação, um trabalho mais prazeroso,
mais digno, mais humano.
Abra seu coração de dentro para fora.

Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.

Exagere na criatividade.
E aproveite para fazer uma viagem longa,
se possível sem destino.
Experimente coisas diferentes, troque novamente.
Mude, de novo.
Experimente outra vez.
Você conhecerá coisas melhores e coisas piores,
mas não é isso o que importa.
O mais importante é a mudança,
o movimento, a energia, o entusiasmo.

Só o que está morto não muda!Edson Marques