MULHERES DE ELEVADO POTENCIAL 2: O QUE FAZER

Esse post é a continuação do post anterior “Mulheres de elevado potencial”.

Se você chegou a conclusão de que é mesmo uma mulher de elevado potencial e quer deixar de sofrer por causa disso, veja o que você pode fazer:

 

ACEITE-SE COMO É:

Você terá dias e noites em que desejará ser menos do que é. Gostaria de tentar passar por alguém que se encaixa. Pensará em ser mais dependente, mais submissa, mas não tem essa escolha. Você é quem é, e todo mundo sente isso, de modo que o melhor é simplesmente aceitar a situação. Não há paixão nenhuma em ser outra pessoa.

Dê-se crédito por ser quem e o que é. Sorria porque você sobreviveu.

 

ENFRENTE A REALIDADE:

O mundo não é um lugar justo. Raras vezes, se é que isso é possível, você encontrará amor e aprovação incondicionais. Caso aconteça, pode ate ser que você se sinta incomodada. Você vai precisar cavar em seu próprio passado para encontrar as raízes de sua história como mulher e então aceitar as dificuldades e recompensas por ser quem é. Leia sobre mulheres de elevado potencial que entraram para a  História (Indira Ghandi, Margaret Thatcher, Madame Curie, Amelia Earhart, Yoko Ono, Katherine Hepburn, Emily Dickinson…). Conforme você for ficando mais velha, ficará cada vez mais forte, autêntica e capaz de corresponder à plenitude de suas possibilidades.

 

COMPREENDA A COMPETIÇÃO:

Ela fará parte contínua de sua vida. Outras pessoas irão se comparar a você e às vezes tentarão sabotar seu caminho. A tentação é a de revidar e ser menos do que você é. Tente, em vez disso, deixar que os outros tenham sucesso junto com você; dê-lhes atenção; aprenda de que maneira os sistemas funcionam; entre em competições apenas quando forem dentro de seus padrões pessoais, não os de terceiros.

 

ESPERE DEMONSTRAÇÕES DE INVEJA:

Parece muito com competição, porém vai assustá-la mais. Você sentirá o ódio das pessoas que não se valorizam. Não há nada que possa fazer exceto encolher as asas quando estiver na companhia dessas pessoas e favorecer-lhes oportunidades para que brilhem. É racional também manter-se afastada de quem lhe dá a sensação de perigo emocional. Confie em sua intuição.

 

ESPERE PERDER AMIGAS:

Você perceberá que é uma solitária. Sua vida interior é rica e você pode sobreviver sozinha. Haverá amigas e amigos íntimos, todavia não encontrará com facilidade um lugar num grupo social constante. Eles não a interessarão e poderão sentir isso.

 

ABRA MÃO DE UMA PARTE DO CONTROLE:

Você vai querer controlar tudo para compensar a falta de controle que sentia quando criança. A necessidade de controle a dominará por completo. Aparecerá na forma de perfeccionismo, de vício do trabalho, ou como a desistência de estar inteiramente fora do controle. Agora você é uma mulher adulta. Está segura. Pode tomar conta de si mesma. Está bem ser consciente e desperta.

 

COMPREENDA A DOR:

Você sente as coisas com muita profundidade e haverá momentos de desespero e depressão. Você deve se lembrar do preço da conscientização e ter sempre à mão um grande bastão mental com que afugentar as sombras que pretendem assustá-la. É difícil saber e sentir o que aconteceu no mesmo instante em que você o soube e o sentiu. Lembre-se do presente: uma alegria mais intensa.

 

RECUSE-SE A PERDER SUA FEMINILIDADE:

Embora sempre tenham existido mulheres como você, elas não tem sido celebradas por sua beleza (mesmo quando belas), nem por sua feminilidade. Os talentos de que você dispõe sempre causarão nos outros uma perspectiva ambivalente quanto à sua sexualidade. Eles sentirão mais perigo do que simpatia. Muitas vezes, você ficará refletindo sobre sua própria feminilidade e considerará a presença de um pouco de renda e perfume para recuperar o equilíbrio natural. Cerque-se de cor-de-rosa, se você quiser, de coisas que a ajudem a compor um conjunto harmonioso com as definições tradicionais para a mulher.

 

As definições das mulheres de elevado potencial e dos problemas que enfrentam pode deixá-la mais do que ambivalente. Lembre-se: não é só frustração e dor, é também o potencial para uma incrível profundidade e um extraordinário senso do belo na vida. O problema é que cabe a você decidir; ninguém mais pode fazê-lo em seu lugar. Você tem de concentrar toda a sua força mental e afetiva e dirigi-la como um facho de luz para iluminar o caminho de seu próprio futuro.

 

Fonte: “Women and the blues: Passions that hurt, passions that heal” by Jennifer James

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s