CASO MATSUNAGA

Mais um “crime da mala”… o último, que eu me lembro, foi o da mala deixada em uma rodoviária com o corpo de uma menina de onze anos assassinada por um pedófilo que ela conheceu na internet; mas nesse caso o assassino não havia “picado” a vítima.

E difícil imaginar como uma prostituta tão mignon como Elize, teve tanta força para “destrinchar” o corpo do rechonhudo nipônico adúltero.

Eu acho que ou ela teve um cúmplice ou já havia feito isso antes.

Algumas pessoas atribuem a habilidade que Elize teve para “desmembrar” o cadáver à sua formação em enfermagem; acontece que essa habilidade não é ensinada em cursos de enfermagem (muitos enfermeiros experientes e competentes não conseguem picar sequer um frango assado de padaria!). Se ela fosse formada em cirurgia geral poderia ate ter alguma coerência a atribuição.

E o sangue? Deve ter havido uma sangueira tremenda (mesmo com o uso de um medicamento com ação coagulante). Ela deu conta de toda a sujeira só com um aspirador usado como sugador? Limpou tudo sozinha? Será mesmo que a empregada doméstica encontrou tudo limpinho no dia seguinte como declarou em seu depoimento? Se houve um cúmplice dá para acreditar, mas já que não houve, fica difícil.

Mas o que mais intriga é: Por que ela se entregou? Por que confessou? Ela poderia ter fugido tranquilamente e talvez nunca fosse presa. Burrice ou aquela vontade que todo psicopata tem de um dia mostrar para o mundo quem ele realmente é?

Muitas mulheres ao verem as imagens que o detetive particular, contratado por Elize, registrou mostrando Matsunaga com a prostituta amante, devem ter pensado: “Ai, como eu queria ter coragem de fazer o mesmo com esse FDP que eu tenho em casa!

E as outras ex-prostitutas tambem casadas com empresários, executivos endinheirados, que vivem sendo humilhadas pelos maridos ex-clientes, que sempre esfregam na cara delas o que elas foram e o que significam: uma mercadoria cara que a qualquer momento pode ser trocada por”outra”, mais nova, mais bonita ou que ofereça melhor serviço. Essas mulheres devem estar idolatrando Elize e sua coragem de dar um fim bem dado em seu algoz.

Fica o exemplo e o conselho:

“Queridos adúlteros”,

Tomem cuidado! Nunca se sabe o que uma mulher pode ser capaz de fazer quando humilhada, principalmente se ela tiver sido prostituta, ou seja, uma mulher já cansada de suportar situaçoes humilhantes. Elize Matsunaga abriu um precedente (não que ela tenha sido a primeira, mas foi o caso mais famoso), deixou um exemplo que pode ser seguido (e pior, por qualquer mignonzinha!) 

Os comentários estão fechados.