Sempre Ao Seu Lado versão Caipira

 

 

Vocês que assistiram e se emocionaram, assim como eu, com o filme “Sempre ao seu lado”, conheçam agora uma história parecida que aconteceu aqui em São José dos Campos – SP!

12043126_1246063455419645_9094091783245884574_n

A história do cachorro Akita, Hachikō, que emociona o mundo desde 1925 também encontra paralelos em várias outras partes do planeta e aqui no Brasil. Este ano teve uma marca especial no cemitério central e o mais antigo de São José dos Campos (SP). Há 100 anos exatos uma jovem morreria de tuberculose e seu cãozinho ficou sobre a sepultura até também morrer, de tristeza e saudades.

O fato foi tão marcante na época, que passou gerações e permanece ainda hoje como uma das principais histórias do lugar. A derradeira demonstração de amor e fidelidade que tem sobrevivido ao tempo e, inclusive, ao abandono e esquecimento.

O jazigo simples, com a estátua de um cachorro sobre ele, ficou abandonado durante décadas. Ali se guarda uma bela e comovente história de amor e fidelidade, envolvendo uma jovem doente, seu cão, o esquecimento dos familiares e uma senhora que há 40 anos cuida do túmulo.

A sepultura tem em sua arquitetura a estátua de um cachorro, localizada logo a frente, sobre a laje onde se vê o nome de Oscarina Cruz Guimarães, nascida em 16/08/1893 e falecida em 13/08/1915, a poucos dias de completar 22 anos de idade, provavelmente tuberculosa em algum dos sanatórios da cidade ou mesmo em sua casa, devido a uma crise respiratória.

A trajetória da moça e seu cachorro está se perdendo com o passar dos anos. Mas sabe-se que Oscarina era pianista e quando tocava, seu companheiro ficava deitado no chão da sala e nos momentos de repouso forçado por conta da doença, ele se abrigava sob a cama. Os dois eram vistos com frequência caminhando juntos pela cidade, naquela época muito pequena e tímida.

Com o passar dos anos, o túmulo deixou de ser visitado e foi adotado por Dulce Carmem da Silva, moradora do bairro Santana, que passou a cuidar do local e a se inteirar da história da jovem e de seu cão. E manter viva a história da moça e seu amigo fiel.

A família de Oscarina seria originária de Vitória (ES). Viveram no Vale do Paraíba na esperança da recuperação da jovem, quando ela morreu partiram para sempre. Hoje não há indicação de familiar ou pessoa responsável pelo jazigo 5089. Dulce, então, passou a cuidar do local no começo dos anos 80.

A sepultura estava abandonada, mas chamava atenção pelo fato de ter a figura do cachorrinho em mármore branco, sentado, como se esperasse e ao mesmo tempo guardasse o lugar. O que intrigava os mais atentos que visitavam o cemitério.

E assim Dulce tomou conhecimento de maiores detalhes da trajetória de ambos por meio de informações de moradores antigos da cidade. Eram poucas as informações, mas o suficiente para identificar ali uma grande amizade, carregada por tons dramáticos e singelos.

“Essa moça teria se tratado na cidade na época sanatorial e tinha um cachorro que sempre a acompanhava. Quando ela faleceu, o cachorro não quis sair de seu túmulo, aonde também veio a falecer. A mãe dela teria, então, mando fazer a estátua do cachorro em cima do jazigo”, conta Dulce, que se tornou a zeladora voluntária do túmulo. O cãozinho está também sepultado no local, logo abaixo de sua estátua, numa caixa especial feita para abriga-lo e assim permanecer perto de sua tutora.

Nestas quatro décadas, ela nunca teria visto qualquer familiar visitando o jazigo da jovem. Uma triste contraposição ao sentimento do cachorrinho, hoje também esquecido na memória da cidade, pois sequer sabem como sua tutora o chamava.

Foi pelo amor aos animais que Dulce passou a se interessar pela arquitetura do túmulo e pela história que a cercava. Essa empregada doméstica, hoje aposentada, estava muito triste com o envenenamento de seu cachorro, que agonizava em sua casa. Ela entrou no cemitério na busca por aplacar sua dor, quando encontrou o túmulo com a estátua.

Ao se deparar com o abandono do túmulo, simbolicamente diferenciado pela presença da escultura, sentiu que se seu companheiro viesse a falecer passaria a tratar do ‘outro’ cachorrinho, o que havia falecido ali, no cemitério, sobre o túmulo de sua protetora.

“Quando vi o túmulo com a estátua do cachorro, que estava feio e sujo, resolvi cuidar do lugar. Isso foi na década de 80 e continuo até hoje”, relembra emocionada.
Texto: Julio Ottoboni.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s